Refinansiering | Halvin Sähkö | Beste Rabatt Kredittkort | Strømpriser | Beste Brannalarm | Hesteforsikring | Billigste Mobilabonnement | Elektrikere
Loading...

O que é preciso analisar para contratar um bom plano de saúde?

2 de maio de 2019 - Núcleos

O que é preciso analisar para contratar um bom plano de saúde?

 

Ter um plano de saúde é o desejo da maioria das pessoas, porém, segundo matéria publicada no site Valor Econômico (www.valor.com.br) em 21 de fevereiro de 2018, a média de pessoas que não possuem plano de saúde varia conforme a classe social: entre as classes A e B, 45% não possuem, já, nas classes C, D e E esse índice se eleva para 77%. Nosso Estado de Santa Catarina está com um índice de 78,8% de pessoas descobertas por esse benefício.

Para contratação de um bom plano de saúde, precisa-se saber se o plano é regulamentado pela ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar, e segue as regras e formatações estipuladas na Lei 9656/1998, sendo que abordaremos de forma pontual as mais importantes delas:

Existem três tipos de contratação de planos de saúde:

-Individual ou familiar: plano contratado pela pessoa física, onde é obrigatória a entrega de cópia do contrato ao beneficiário;

-Coletivo Empresarial: contratado pela empresa onde podem aderir pessoas vinculadas ao CNPJ (sócios e seus dependentes legais e funcionários devidamente registrados podendo ser extensivo aos seus dependentes legais, a critério da contratante);

-Coletivo por Adesão: a contratação é feita via convênio entre entidade classista e a operadora disponibilizado para os associados/filiados e seus dependentes.

Esses tipos de contratação determinam a forma de reajuste dos planos:

-o individual ou familiar tem seu reajuste máximo determinado pela ANS;

-os planos coletivos empresarial e por adesão subdividem-se em 2 categorias para aplicação do reajuste: contratos de até 30 vidas devem receber o mesmo reajuste e os acima de 30 vidas serão analisadas de forma individual, sendo a negociação feita entre a operadora e a contratante, levando-se em conta os índices e critérios pré-definidos em contrato.

Pode-se contratar plano sem coparticipação – onde o beneficiário paga apenas a mensalidade e não tem custo adicional com a utilização do plano em consultas, exames e demais procedimentos.

Já a coparticipação funciona como um mecanismo de regulação financeira onde quanto maior o percentual da coparticipação, menor será a mensalidade pois o usuário irá pagar parte dos gastos de sua utilização.

Nem sempre o plano com coparticipação é a melhor opção, a escolha vai depender de como a pessoa utiliza o plano ou conforme sua disponibilidade financeira.

A abrangência também é muito importante na análise das opções, pois é a área em que a operadora se compromete a garantir todas as coberturas de assistência à saúde contratadas pelo beneficiário, exemplos: municipal, grupo de municípios, estadual, grupo de estados e nacional.

As segmentações disponíveis são:

Ambulatorial: cobre consultas, exames e demais procedimentos ambulatoriais;

Hospitalar sem obstetrícia: prevê internações hospitalares, inclusive honorários médicos, serviços gerais de enfermagem e alimentação, exames e medicamentos necessários para o tratamento do paciente, sem cobertura para o parto.

Hospitalar com obstetrícia: contempla as coberturas acima descritas, mais o parto, concedendo também cobertura assistencial ao recém-nascido, filho natural ou adotivo dentro dos 30 primeiros dias após o parto como dependente, e nessa condição a cobertura ao recém-nascido dá direito a isenção do cumprimento de carências, levando em consideração a situação de cumprimento de carências do titular.

Os planos podem ser contratados de forma cumulativa: ambulatorial + hospitalar + obstetrícia, formando assim o plano chamado “Completo”.

Da cobertura:

A ANS determina o ROL de procedimentos obrigatórios que as operadoras devem disponibilizar aos seus clientes, podendos estas oferecer coberturas adicionais a seu critério.

A acomodação oferecida pode ser a coletiva ou enfermaria onde o paciente fica em um quarto com outros pacientes internados, e a individual ou privativa tendo a possibilidade da permanência de acompanhante.

As carências máximas são determinadas pela ANS, podendo ser flexibilizadas pela operadora. Exemplos de prazos máximos: atendimento de urgência e emergência 24horas a partir do início da vigência, demais coberturas 180 dias e parto a termo 300 dias.

Em se tratando de doenças preexistentes à contratação do plano, a cobertura parcial temporária tem o prazo de 720 dias (2 anos) para procedimentos de alta complexidade – internação, leito de alta complexidade e procedimento de alta complexidade –  para aquela determinada patologia.

Analise também a rede dos prestadores credenciados para ter sua necessidade de atendimento contemplada.

Para analisar outras informações da operadora, tais como quantidade de beneficiários, códigos de planos registrados e outras informações de interesse do contratante a ANS disponibiliza diversos dados em seu site www.ans.gov.br.

Busque ainda orientação de um corretor experiente que analise seu perfil para uma contratação satisfatória e que dê suporte em caso de dúvidas futuras.

 

Margot Adriane Valmorbida

Prottege Corretora de Seguros

margot@prottege.com.br

(48)99179-5175

LEIA TAMBÉM

ACIF cobra solução para estacionamento rotativo de Florianópolis
Entidades de SC colaboram com projeto de lei para Marco Regulatório das Startups
Faixa de areia da praia de Canasvieiras é finalmente inaugurada em Florianópolis

Newsletter

Você vai adorar interagir com a gente, prometemos!

Newsletter - Acif

Aguarde...